domingo, fevereiro 05, 2006

HÁ UM MÊS

Há um mês que não te vejo correr.
Há um mês que os dias são mais longos.
Há um mês que partilho o teu sono, lado a lado.
Há um mês que não grito para não correres nas escadas.
Para não saltares no sofá.
Para não me trepares para o colo quando estou no computador.
Para esperares por mim e me dares a mão.
Há um mês que não estou sempre a dizer-te para te levantares do chão.
E para não pores na boca as migalhinas que encontras na alcatifa.
Há um mês que não sinto os teus braços a apertarem as minhas pernas.
Há um mês que não te seguro no braço para te ajudar a saltar de um muro mais alto.
Há um mês que ficas o dia todo sentado, entregue a brincadeiras, tentando distrair o tempo.

Que mania esta minha de contar o tempo.
Há um mês que estou a contar os minutos de todos os dias.
E eles são longos, longos, longos.
Eternos.

Há um mês que vivo para um só dia, uma só imagem, um único pensamento.
O som e a alegria dos teus passos, misturados nos passos do tempo,
outra vez eterno de vida e movimento.

5 comentários:

um estranho disse...

falta pouco ... falta muito pouco ...
vá lá ... já falta tão pouco.

Paulo Silva disse...

Olá!
Confesso que estranhei a tua ausencia,mas valeu a pena esperar,para receber tão belo comentário.
Obrigado e Bejos.

papu disse...

O meu receio é chegar lá na sexta feira e ele ainda não poder tirar o gesso :(
Nem quero pensar nisso...

Francisca disse...

Vai passar.
Mimos para o pequenito!

papu disse...

Obrigada, Francisca :)