terça-feira, outubro 24, 2006

CONTEM-ME LÁ O VOSSO SEGREDO

de como sobreviver a uma gripe?

(esta pergunta é só para mães, como é evidente: para pais e outras pessoas em geral sem filhos, sobreviver a uma gripe não é mistério nenhum. Como toda a gente sabe, é até bastante fácil: nada que umas boas horitas de repouso não façam, e os cuidados médicos básicos e necessários, dependendo da gravidade do caso).

Mas atenção, não estou a falar daquelas ameaças de gripe, em que sentimos a cabeça a andar à roda, uma moinha pelo corpo, que nos pede a toda hora para nos estendermos na posição horizontal, umas dores de cabeça assim quase a roçar o limite do tolerável, uma sensação de febre que acaba por não passar disso (de uma sensação), umas dores de garganta que nos perturbam o sono à noite, o nariz entupido e a pingar... enfim, nada que a gente não passe literalmente a ferro com o tanque de guerra da nossa vontade indómita, e que alguns descongestionantes nasais mais uns cházinhos e uns ben-u-rons não levem a melhor, e aí vamos nós à luta, a sonhar com a hora de ir para a cama para enfim poder estender o corpo moído, certas de que umas boas horas de sono vão deixar-nos como novas...

NÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃO !!!

Eu estou a falar de outra gripe, uma espécie bem pior, que nos ataca com um soco bem no meio dos olhos, que nos atira literalmente com o corpo para a cama, porque em pé a cabeça vai-nos estalar com certeza, em que a febre nos sobe mesmo pelas pernas acima, e nos faz tremer de frio debaixo dos edredons (ia escrever cobertores, mas já não se usa, pois não?), em que não há músculo do corpo que não doa e que não páre de nos massacrar à noite, tornando o sono impossível, só conciliável com um cansaço extremo, em que a garganta parece um tição, e os ouvidos tapam-se, mas, desgraçadamente, não nos deixam surdas, porque qualquer sonzinho ecoa na nossa cabeça como pedras a chocalhar lá dentro... enfim, e para resumir, ficamos completamente KO!

Mas a pergunta era: como é que sobrevivem a estes ataques? Não me vão dizer que nunca vos acontece, como é que é possível? Andam com um aviso nas portas de entrada do corpo: "Atenção, agentes infecciosos! É extremamente proibido entrar! As infracções serão gravemente punidas!" É isso?

Claro que não, estava a brincar. Mas contem-me lá: como é que fazem? Também não vale dizer que emigram para casa da mãe ou que lhe telefonam a correr para ela vir em vossa ajuda: é que no meu caso não resulta, uma vez que tenho uma distãncia de milhares de quilómetros a separar-nos... vá lá, pensem noutra coisa. E também, diga-se de passagem, já temos idade para nos desenrascarmos sem a ajuda da mamã, ou será que não? Ai ai ai... ;)

Mas ainda não estou esclarecida: põem o homem a cozinhar? A lavar a loiça? A arrumar a cozinha? E se ele não souber ou não quiser cozinhar, o que vai dar no mesmo, em termos práticos? Ficam os miúdos uma semana a comer pizzas e outras porcarias piores? Bem, sempre é melhor do que morrer à fome... ;)

Quanto às porcarias, devo esclarecer que o chocolate não é nenhuma porcaria! Isto dito na boca do meu filho, ontem, quando consegui fazer uma sopa. Eles pediram já não sei o quê, um sumo ou algo assim, ao que eu respondi: "Não, hoje não. Vocês só têm comido porcarias, já chega". E o Diogo olhou para mim muito sério e disse: "Mas o chocolate não é coisas do chão! Não é nenhuma porcaria!". Pois é, mamã!

Hoje já lhes fiz bife com esparguete. Sim, estou melhor, e mais bem disposta. Parece que, mesmo sem saber o segredo, sobrevivi ;)

6 comentários:

Alex disse...

Acho que tem a ver com a ruindade no corpo ... a coisa entra mas não sobrevive :-)

hahahaah

Laranjas às centenas, água do mar, e janelas abertas durante todo o ano, até no Inverno ...

Espero que passe depressa :-(
Beijinho, dorme bem

Princesa Julinha disse...

Acho que não há remédio mesmo a não ser arrastarmos um pouco e tentarmos fazer alguma coisa...pois senão estamos lixadas mesmo! mamã não pode ficar doente, senão é a desgraça lá em casa! :S

Bjs e esperemos que não volte tão cedo

papu disse...

Passar, passar, ainda não passou...

Mas está a passar... devagarinho :)

Obrigada e beijinhos às duas

soniaq disse...

Não sou a melhor conselheira em termos de doenças. Quando se abate uma lá por casa, normalmente sou eu e fico no "choco", o maridão é um fofo e trata cá da menina o melhor que pode. Como não tenho meninos, resta-me tratar da gata e isso o J tb faz.

As tuas melhoras Papuzinha

buzá disse...

Como me faz doer o coração esta descrição da situação em que tens estado e eu, tão longe, sem poder dar uma mãozinha, para a minha menina poder descansar a sua cabecita na almofafa...As melhoras e que tudo volte ao normal, rapidamente. Assim espero, beijinhos, muitos, para todos, com muito amor do buzá

papu disse...

Obrigada Sónia :)

ó mãezinha, mas a descrição é para rir, não para chorar ;) beijinhos muitos