sexta-feira, janeiro 08, 2010


água na boca
molhada
água nos olhos e no café da manhã
água que ficou da noite de ontem
e alagou o lençol da cama
água que secou no estendal
nas ondas brancas do mar
da roupa lavada
água que sabe a sal
na boca
que sabe a leite
mel arroz
e o doce e o doce
e o doce da canela
e a casca amarela
do limão

(enfeitar o arroz doce é um trabalho de paciência. solitário. mudo. só é permitido falar com os mortos, aqueles que nos visitam por cima do ombro, para nos elogiar a precisão do traço, a beleza da decoração. com o mesmo tom de voz de antigamente,. a voz que tão bem conhecemos e nunca mais ouvimos. a voz não envelhece. não devia morrer nunca. não connosco. a voz. avós. a vós.)


4 comentários:

Sofia disse...

Esse arroz-doce está fantástico!

mina disse...

Tudo tão lindo! A escrita, esses enfeites dos arroz-doces, tudo tão bonito!...

luciana teixeira disse...

nunca tinha visto isso! uma coisa muito bonita e que parece muito apetitosa! huummm

Sofia Ruivo disse...

Já se comia um bocadinho!!!

há muito que aqui não vinha... Mas o arroz doce tão gabado foi que não consegui evitar!!!... tive que vir espreitar!!! e é verdade está muito bonito e mete cobiça!!!

beijinhos