quinta-feira, dezembro 01, 2005

ONE YEAR ON

Quando aterrámos neste país cinzento, o tempo passou a andar de outra maneira. As coisas tornaram-se mais lentas, sentidas ao pormenor, como se os sentimentos se tivessem desdobrado e enchido a dimensão do espaço à nossa volta. A primeira coisa que senti foi a falta do sol. Lembro-me que só o vi espreitar, timidamente, atrás de uma nuvem escura e pesada para aí uma semana depois de ter chegado, numa tarde em que acompanhei a Juca a buscar os meninos à escola. E lembro-me de que, apesar de não ter sentido sequer o seu calor, a visão daquela luz aqueceu-me a alma por dentro, e o corpo, também, apesar de debaixo das roupas do inverno. (...)

Daí a menos de um mês aquela tornou-se na escola do David. Passei a fazer parte, eu também, do grupo de pais que se acumulava cá fora, tantas vezes debaixo de chuva, à espera da saída dele. O meu filho passou a vestir-se com as cores da escola: sweat-shirt vermelha e calças de fato de treino azuis (ao menos o uniforme não é muito rigoroso...). Nos primeiros dias andava um pouco triste, na segunda semana faltou no segundo dia devido a uma dor de barriga, falava muito nos amigos de Portugal e dizia muitas vezes que não queria ir à escola... Mas sempre foi, e aos poucos foi mudando, ganhando mais confiança, até que por fim já corria pelo jardim como as outras crianças, todos os dias de manhã, antes de o sino tocar e de formarem todos uma fila, cada uma para sua sala. O Diogo também o acompanhava nas corridas, e para mim era um bálsamo, começar assim o dia, a ver os meus filhos felizes e a correr.

Quando chegámos, o Natal estava em todas as portas, espreitava de todas as janelas, iluminava as paredes das casas em assombros de luzes de todas as cores. Nós não tinhamos casa, vivíamos num quarto minúsculo onde mal tinhamos espaço para nos mexermos, e à noite quando punhamos os dois colchões no chão para dormirmos os quatro, mal sobrava espaço para pôr os pés no chão.

Depois saímos desse quarto e fomos para outro, numa casa grande que estava ainda vazia de outros habitantes, onde tinhamos um quarto também para os quatro, um pouco maior, e onde podíamos usar a cozinha. No dia em que deitámos mãos à obra para limpar e arrumar as coisas ia tendo uma coisa: estava tudo de tal maneira imundo que é indiscritível... (...)

A única coisa simpática era o jardim, com um relvado a precisar de ser desbastado de um verde vertiginoso, onde à noite e às vezes de dia as raposas passeavam, olhos atentos à espreita de comida. É verdade, nesta cidade as raposas abundam, passeiam de uns quintais para os outros, às vezes à noite percorrem os relvados escuros dos parques que por aqui também abundam, em correrias assustadas.

Mas a casa era fria, os aquecimentos eram a electricidade e só tinhamos um no quarto ligado, no resto da casa tinhamos de andar de casaco ou de camisola bem quente. E água quente, népias. Depois de uma semana percebemos que o prometido “somebody will come to repair the system” era apenas isso, uma promessa, em boca falsa.

Lá tivémos de fazer de novo as malas, desta vez para parte incerta. Era 30 de Dezembro e estava tudo fechado, aqui o país simplesmente pára entre o Natal e o Ano Novo. O rapaz da agência lá simpatizou connosco, e ajudou-nos a sair dali sem assinar o contrato, que entretanto aguardava a assinatura da dona da casa, que o queria reformular porque exigira um aumento da renda ao aperceber-se de que éramos uma família. Metemo-nos no carro dele e andámos às voltas, mas os poucos sítios que conseguimos ver ainda eram piores do que a casa onde estávamos. Já em desespero, lá fomos ver um último estúdio, em Lewisham, que naquela altura era o mais longe que até então já fora, e achei que íamos mudar para o fim do mundo. Mas não era o fim do mundo, era uma rua escura, cheia de mercearias e lojecas, de gente e de trânsito, e o estúdio ficava por cima das lojas, no topo de uma escadaria interminável. Mas não era mau, o sítio, e tinha boas condições. Um quarto que era a sala, uma cozinha, uma casa de banho, e um vestíbulo de entrada minúsculo.

Dentro do carro estava quentinho. Lá fora a chuva caía, lentamente e sem ruído, e o frio cortava. As pessoas passavam no passeio debaixo de guarda-chuvas. Dentro das casas, adivinhava-se calor, famílias reunidas, e o Natal acendia-se nas luzes de mil cores pelas paredes. Dentro do carro os meus filhos tinham adormecido, embalados pelo movimento e pelo calor. Eu continuava acordada e a chuva no vidro confundia-se com a lágrima que espreitava por entre as minhas pestanas. O David acordou a meio de algum sonho, olhou em volta como que a perguntar-se onde estava, e perguntou, “Mãe, porque é que não vamos para casa?” Eu respirei fundo, agora a lágrima finalmente tinha rolado pela minha cara abaixo, fechei os olhos e respondi, “Já vamos, filho, já vamos para casa”.

(Foi com este texto que iniciei este blog, há já uns largos meses atrás. Resolvi republicá-lo agora, quando vai fazer um ano desde a nossa chegada)

7 comentários:

Mi disse...

Um grande beijo para a família corajosa e linda. Keep on! :)

O meu Blog! disse...

Só hoje consigo responder ao q me perguntaste no outro post....sorry!
Estou cá desde Setembro 2004, qdo vim estava grávida de 3 meses, a Joana nasceu em Feveiro, em Portsmouth. Agora tenho uma filha bifa, salvo seja, pq nao tem nacionalidade inglesa.

Parabéns por toda a força q tiveste em ultrapassar este ultimo ano...uma das minhas 12 passas deste fim de ano vai ter uma forcinha especial para quem fica a lutar num país q me vai deixar saudades um dia...continua! Tu percebes!

Bjs
Ana

papu disse...

A Joana nasceu em fevereiro?? Não me vais dizer q foi no dia 19, pois não??

É q o Diogo é de 19!
;)
Bjs.

O meu Blog! disse...

eu só te vou dizer q a 19 eu já estava a fazer força...mas qdo saíu cá para fora ...já era 20!

palavras para quê?

sm disse...

Um GRANDE, GRANDE beijinho!!!! Não se consegue imaginar o que possa ser (eu não consigo), passar por um sufoco desses...

:)
***

um estranho disse...

estou com a bochechas salgadas.
És uma mulher muito especial.
E quem passa por tudo isso sabe dar valor ao que vem depois. Cada canto, cada janela, cada degrau.

O crescimento deles ...

Um beijo grande para ti.
Escreves deliciosamente. Andei por essas ruas à procura de casa com voces e senti as janelas do carro embaciadas, quase que ouvi o teu desespero nessa noite.

papu disse...

Muito muito obrigada pelas vossas palavras amigas. :)))

Mi, um beijo muito grande. Se calhar és a única q ainda te lembras deste meu 1º post.

Sandra, um beijão. É assim a vida, cheia de sufocos... mas de vez em qd lá vem o ar puro para a gente encher os pulmões ;)))

Alex, como é q te hei-de agradecer? Obrigada pelo carinho e pela força das tuas palavras. Do fundo do meu coração :)))

Ana, mas q raio é q a gente não tem em comum? Ainda estou para descobrir... Acho q temos de investigar melhor, na volta somos primas ou coisa parecida ;)
Um beijão