segunda-feira, maio 14, 2007

Mãos férteis


E do barro faço vida, faço alma, faço história. E das mãos faço velas, faço barcos, faço janelas. Do barro faço mãos ávidas de sonhos e de viagens. Das mãos faço um arco e uma sombra de solidão. Do barro faço aves de rapina em voos rasos e certeiros. Nas mãos guardo os olhos da terra e os teus cheiros. Do barro invento o chão. E na terra verto as minhas pegadas, água, lá onde o rio abraça o mar e o mundo acaba.

4 comentários:

Alex disse...

e eu gosto das tuas mãos.

José Antunes Ribeiro disse...

e eu gosto dos teus textos!

papu disse...

:-)

Alex disse...

:)