quarta-feira, setembro 10, 2008

Clean and clear

Primeiro, foi a invasão dos cosméticos de nova geração (agora já muito velhinha, claro). Leites de limpeza, loções corporais, cremes hidratantes, esfoliantes, regenerativos... Milagres para as rugas, óleos de massagem, essências naturais, tudo para enriquecer e proteger a flora da pele. Tudo a cheirar a rosas, a pêssego, a abacate, ou apenas aquele perfume doce que se nos entranha nos sentidos e nos deixa à beira do nirvana...

Depois a novidade estendeu-se aos sabonetes líquidos, aos champôs, às loções de lavagem. Ainda me lembro do primeiro gel de banho que comercializaram em Portugal, em mil novecentos e trocópasso, era da Nívea, tinha uma embalagem azul e já não me lembro do cheiro. Mas cheirava bem. Era o Nívea gel, lembram-se? Nessa altura, às vezes, eu lavava o cabelo com gema de ovo, ou então com sabão azul e branco e vinagre. Pois, um horror. Aquilo tresandava que era uma coisa. Mas o cabelo ficava brilhante, lá isso ficava. Mas depois, com aqueles novos cheiros e texturas, não houve sabãozinho azul que resistisse. Sabonetes a cheirar a maçã, champôs a cheirar a morango, que perigo para os sentidos! É que às vezes dá mesmo ganas de comer (ou beber), não dá? Ainda me lembro do cheiro de um champô qualquer, que cheirava a maçãs verdes, mas daquelas que cheiram mesmo a maçãs verdes; há tanto tempo que eu não comia uma maçã a saber (ou a cheirar) àquilo!

Bom. Entretanto, também os amaciadores de roupa se esmeraram. O que vale é que o cheiro é tão forte e enjoativo que não dá propriamente vontade de comer. Mas agora a moda são os detergentes para a loiça. Fairy clean and clear, almond. Perfume: essência de amêndoa ou de pepino. O segredo para a suavidade das suas mãos, e outras tretas do género. Um cheirinho que faz com que as nossas narinas se abram, embasbacadas. E depois, o toque, a textura: parece leite hidratante. Só tem um problema: escorrega que é uma maravilha... E lá se vai um copo para o beleléu!

Mas, caramba, façam lá detergentes como deve ser, com aquele cheiro a desinfectante e aquele toque abrasivo! Uma gaja, que tem de lavar a loiça todos os dias, como é que resiste àquele perfume leve e àquela carícia na pele?

(Nota-se que estive a lavar a loiça, não nota? E, adivinhem; ainda tenho nas mãos aquele cheirinho...)

1 comentário:

edelweiss disse...

Oa amaciadores da roupa são a minha perdição, mas os normais, detesto os concentrados! Agora há um anúncio de um qualquer que tem cheiro a diamantes... os diamantes têm cheiro?