quinta-feira, dezembro 04, 2008

Coisas da vida

Estou farta de algumas mensagens que andam para aí a circular, cheias de desenhos às florzinhas e às bolinhas, muita cor, muitos sorrisos, muitos abraços. Dizem para mandar fora os amigos depressivos, porque nos puxam para baixo. Mantenha apenas os amigos bem dispostos! Mas que amigos da onça, digo eu. Os amigos são quem gosta de nós por aquilo que somos. Se um amigo me mandar fora apenas porque a minha tristeza o incomoda, então não é meu amigo. É melhor então que seja eu a deitá-lo fora. Ria muito!, aconselham. Assim, com ponto de exclamação. Rir faz bem à alma! Pois faz. Chorar também. Chorar, aliás, lava e alivia a alma. Quem passa a vida a rir são os pateta-alegres. Só sabe rir quem sabe chorar também. E livrem-se dessa inimiga mortal que é a culpa! Não; esta senhores, é a pior delas todas. Pois eu quero a minha culpa, todinha. É ela que me torna humana. Já repararam que somos os únicos animais a experimentar o sentimento de culpa? Este sentimento é secundário à consciência dos nossos actos. Os psicopatas não sentem culpa, mesmo depois de cometer os crimes mais atrozes. Eu quero sentir culpa, sim; quero ser capaz de olhar para mim mesma e detectar as falhas. Os erros. Aprender com isso. No dia em que o deixar de fazer, estou morta. Não quero é ser sua escrava. Nem da culpa, nem da tristeza. Nem da dor. Nem do medo. Escravidão é submissão a algo que não se controla.

Pois eu quero ser dona de mim, e da minha consciência. Quero poder viver todas as minhas emoções sem medo; estar triste quando estou triste e alegre quando estou alegre. Quero poder zangar-me e gritar e rir e chorar. Porque sim, ou apenas porque me apetece. E quero ter amigos que me conheçam e que me aceitem como sou.

Pessoas que passam a vida a cagar flores pela boca e que insistem em pintar o mundo de cor-de-rosa, dessas, quero distância.

3 comentários:

Mónica disse...

descobri um comentário Papu e vim atrás, tive pena de n ver aqui o shreck e a fiona :P

Filoxera disse...

Apoiado!
Nem contem comigo para repassar aqueles e-mails em que dizemos às pessoas que são uito queridas para nós. Quantas vezes não vêm de quem se está nas tintas para saber como estamos, nem um telefonema nem uma resposta???
Bj.

sónia disse...

Apoiado!
bejinho