quinta-feira, janeiro 29, 2009

Velhos (e novos) tempos

Ultimamente, tudo me dá vontade de rir. Tenho a sensação de que voltei atrás no tempo, até aos dias da minha adolescência já um pouco longínqua. O silêncio abafado de corpos quase nus na sauna, aquela presença dos corpos a roçar a intimidade. Eu a olhar para o vazio e a tentar silenciar o diabinho do riso a fazer-me cócegas nas costelas. Quintas feiras, nove e quarenta e cinco. O novo formador do curso é um sujeito baixinho e um pouco empertigado, com um olhar acinzentado que por vezes se tinge de um azul gélido. Tem uma forma estranha de olhar. Incomoda-me um pouco. Tem uns poucos de cabelos brancos escorridos e uma careca proeminente. A cara é ossuda, cheia de ângulos agudos. O nariz projecta-se em frente, ligeiramente curvado para baixo, como se fitasse o chão. Está sempre a agarrar o cinto das calças como se temesse que elas caíssem, ou talvez, como se se quisesse certificar de que ainda as traz vestidas. Tem uma presença ao mesmo tempo séria e desconcertantemente cómica. Oscila entre um orador compenetrado e uma espécie de palhaço no circo. Palhaço talvez seja forte de mais, não sei. Diz as coisas mais extravagantes sempre com o mesmo sorriso nos lábios. Hoje, enquanto esfregava as costas de uma cadeira, dizia algo como: "Que coisa maravilhosa é o tacto! Experimentem, toquem nas coisas, sintam as diferentes texturas! Não é fantástico?" Depois olha para nós com aquele olhar penetrante, como se nos quisesse vislumbrar os interstícios. E eu recuo ao meu tempo de estudante, quando soltávamos risinhos abafados nas costas dos professores, com aquele nervoso miudinho e as gargalhadas entaladas na garganta, porque não nos podíamos rir à vontade. E não sou só eu, ao que parece. Hoje houve várias gargalhadas histéricas a explodir no ar. Algumas colegas minhas atribuem esta faceta ao facto de ele ser um counsellor, ou seja, um psicoterapeuta. O estereótipo do psi maluco, pois, em grande. E eu aqui rio para dentro, e pergunto-me como será que me vêem a mim. Mas caramba, não sou assim tão esquisita, acho.

2 comentários:

soniaq disse...

:D
Papu
Belas aulas.
Ah, e quando acabares o teu Novel, diz-me. Cada vez a escrever melhor, uma delícia.
Beijinhos

papu disse...

Sónia:
o que é o meu Novel???

eu cá não faço a mínima ideia