sábado, outubro 22, 2016

Poucas palavras

Acabou-se-me o sal. Gastei o resto no arroz de pato que fiz para o jantar. Cozinhei também o coração do animal. É essa a minha função diária: alimentar. Estômagos, corações, uma família, várias vidas, uma cidade, divindades. Talvez um dia descubra que também alimento estrelas noutras galáxias. No peito ficam as palavras que não ousam esse brilho. Encontram uma forma de liberdade na inexistência. Uma certa beleza revestida de silêncio. Belo é o gesto que enfeita a palavra: a enxada que fecunda a terra. A espera no arredondar do ventre. O primeiro vagido, linguagem primordial. Beleza, traz o vento, em sinais distantes do outro lado do mundo, vozes que nos pertencem porque já nos habitam o coração. As palavras podem ir no vento, a beleza fica no olhar de reconhecimento. No espanto. No sorriso. Até no desapontamento, porque diz da paixão, da urgência. O coração, porém, desconhece a urgência, o tempo, as palavras. O coração sabe do medo, da fragilidade, da ternura, da vergonha, da dor e do amor, do riso e das lágrimas, do ritmo, do compasso da espera, da febre, da saudade, dos sonhos, dos rios e dos mares e dos lugares onde poderemos ser felizes. O coração pulsa debaixo da terra e encerra a beleza que o desapontamento não encontra. Não sei o caminho, ando às escuras e não me pertencem os teus passos. Deixo uma flor em cada encruzilhada.
(Eu sou de muitas e poucas palavras. Para além das que guardo debaixo da terra.)

2 comentários:

Virlene disse...

Como gosto das tuas palavras, os sentimentos que emana ... são como um toque que chacoalha a alma e a vida pulsa ... uau! Sinto-me envergonhada por ter partido para um planeta distante e cultivado minha medíocre solidão por tanto tempo, tempo que ficou a saudade do que não vivi, das letras que não bebi e dos amigos que deixei ir.Perdoa-me. Abraço, Virlene .

papu disse...

Virlene, querida amiga, não peças desculpa, a vida nos empurra e às vezes acabamos cada um no seu planeta solitário, os dias sucedem-se muitas vezes sem a gente conseguir agarrá-los, agarrar o tempo que desejamos nosso, mas é assim, e nisso somos todos iguais. Eu também tenho escrito muito menos aqui neste cantinho, mas guardo as boas lembranças e todos os leitores que, como tu, se tornaram amigos, ainda que, e por enquanto, apenas nos tenhamos comunicado por aqui. Um abraço grande e quero que saibas que, mesmo lá nesse teu planeta, estás sempre presente :)