terça-feira, abril 24, 2007

Eles

São como a água e o vinho, nalgumas coisas. O dia e a noite. O sol e a chuva.

O David não é de mentir. Não estou a dizer que nunca mente, mas não é habitual nele. Uma vez, devia ter uns três ou quatro anos, um dos muitos primos do nosso clã familiar chamou-lhe grande mentiroso, depois de ele contar, todo entusiasmado, que a roda do carrinho onde ele tinha passado a tarde a ser empurrado por esse dito primo tinha saltado a meio do percurso. Quando ouviu o "grande mentiroso" a cara dele denunciou a estupefacção em pessoa, e protestou veemente, insistindo que era verdade. O caso morreu ali, mas aquela cara dele, onde estava estampada a revolta pela injustiça, ficou-me cá a remoer. Eu sabia que ele tinha andado a tarde toda a ser empurrado naquele carrinho por aquele primo, mas também pelo pai. E através do pai averiguei o que desejava saber: que realmente a roda tinha saltado. Ele não estava a mentir.

A partir desse dia passei a prestar mais atenção àquela expressão dele, quando é demais evidente que está a ser vítima de alguma injustiça. E a verdade é que funciona. Ele não é muito dado a mentir, e quando mente depressa deixa transparecer isso mesmo. Não sabe mentir, desmancha-se quase sempre. E se realmente estava a mentir, aceita a zanga ou o castigo. O que não acontece quando se sente injustiçado.

Já o mais novo mente com quantos dentes tem na boca. E o mais incrível é que é mesmo convincente na mentira. Já aconteceu várias vezes eu estar a zangar-me com o David e depois aperceber-me de que afinal devia estar a zangar-me com o Diogo. É que ele faz outra coisa que eu detesto, e que lhe pode trazer algumas chatices no futuro: ele incrimina o irmão, injustamente. "Foi o David", sai logo disparado. E eu agora já sei que, mais de metade das vezes, não foi nada o David. Zango-me com ele, e ele fica tão aflito, coitado, depois chora, chora chora. Mas não suporto que ele faça isto, e acho que ele tem de aprender que é uma coisa mesmo muito feia, ainda por cima porque o David não faz isto com ele.

Mas depois a seguir é capaz de defender o irmão, se me vê zangada com ele. Aliás, os dois são peritos nisso, em defenderem-se um ao outro, o que me enche as medidas, apesar de às vezes não achar graça nenhuma ao prato.

Agora já descobri o truque para apanhar as mentiras do Diogo. Vejo logo pela cara dele. E ele acaba por ceder: "Óh, tá bem!", diz assim todo chateado, como quem diz, Porra pá, já me descobriste a carapuça! Acho que ele vai ter problemas com este comportamento, se o continuar, e já lhe disse isso. Mas ele ainda é pequeno demais para entender. Como em tudo, vai ter de aprender com a experiência (a bater com a cabeça, pois!)

É engraçado constatar como duas pessoazinhas que saíram de dentro de nós podem ser tão diferentes uma da outra. Mas nem podia ser de outra forma: a gente pensa que educa os filhos todos da mesma maneira, e até pode ser assim na teoria, mas não os tratamos do mesmo modo, de todo. Se são pessoas diferentes, como é que os vamos tratar sempre de modo igual? Cada um tem o seu feitio, e isso vai criar relações diferentes dentro da família. De igual intensidade, mas de qualidade diferente.

5 comentários:

CLS disse...

É uma das coisas q tenho mais curiosidade com a vinda deste segundo filho, as diferenças q vai ter da irmã e como vai ser lidar com 2 pessoas diferentes que me despertarão o mesmo amor no coração.
Bjs

kate disse...

É de facto muito interessante observar como são tão diferentes e eu tb me dou a essas contemplações cá por casa. Cada vez mais me convenço que a mesma atitude nossa perante duas pessoas diferentes pode ter efeitos distintos: depende como cada um a interpreta, sente, etc. Há tantas coisas da vida que aprendemos a observá-los, não é?

cls, vais ver que te irás deliciar depois com todas estas observações!

papu disse...

Podes crer, Kate, acho que não há nada como olhar os nossos filhos juntos. Mesmo quando brigam. A maneira como vivem no mundo deles, como falam, como riem, como choram... e quando nos irritam? Porque também nos irritam, sim, quando se põem os dois a fazer "panelinha" contra nós...

Sim, é uma delícia, C., não há dúvida! :)

Alex disse...

Eles são é uma delicia Papu :)

Alex disse...

os dois !