segunda-feira, maio 31, 2010

Australopiteco

As cores dos legumes, dentro do frigorífico. Os frigoríficos são lugares acolhedores e ao mesmo tempo frios e inóspitos.
É um paradoxo.
O frigorífico abriga o calor que nos sai das mãos.
Aquilo que cozinhamos não é apenas comida. É alimento.
Alimento para a alma.
E a alma quer-se quente.
O calor, porém, estraga os alimentos.
Há que arrefecê-los.
Para que possam continuar a aquecer-nos.
É por isso que o frigorífico é este lugar quente e aconchegante. Frio. Tem de ser frio.
Isto não faz sentido.
Estou nervosa.
Sabem o que é terem de abrir uma porta que fecharam há séculos?
Uma porta fechada. Há tanto tempo.
Não havia homens na terra, nesse tempo.
O único homem que então existia era um australopiteco feio e monstruoso.

1 comentário:

Maria Helena disse...

Estou aqui encantada a pôr em dia a leitura do teu blogue. É uma vertigem! Qualquer que seja o tema delicio-me com a beleza e a graça com que nos falas das coisas mais banais do dia a dia (a saga da máquina da roupa), a tua mãe passou por uma parecida..., ou mais profundas como o conto da enfermeira, que adorei.